top of page

Medico é suspeito de matar morador de rua no centro de Teresina

Atualizado: 4 de ago. de 2023

O médico ortopedista Albert Medeiros foi preso, nesta quarta-feira (02), por suspeita de ter assassinado um morador de rua, em Teresina. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deu cumprimento a um mandado de prisão temporária expedido Tribunal de Justiça do Piauí.

De acordo com o delegado Francisco Costa, o Barêtta, o médico teria matado Francisco Eudes dos Santos Silva, que vivia em situação de rua, na Praça João Luís Ferreira, Centro de Teresina, em 24 de abril de 2022. O crime ocorreu porque a vítima teria quebrado o vidro do carro do médico durante uma discussão. O profissional de saúde teria agido com a ajuda de outra pessoa que já foi identificada, segundo o delegado.

Médico Albert Medeiros


"O morador de rua foi atingido com dois tiros, um na perna e outro na cabeça. Segundo consta nos autos, o médico parou o carro, uma Land Rover ali no Centro de Teresina, naquela noite e a vítima Francisco Eudes, mais conhecida como Cabeludo, teria arrombado o carro para furtar. E depois ele [o médico] sob informações e saiu o procurando... quando localizou, ele e outra pessoa, com as características que já estão nos autos, desceu do carro e efetuou o disparo contra a vítima", disse o delegado à TV Antena 10.

Ainda em entrevista, o delegado explicou que o médico teria oferecido uma recompensa de R$ 500 para quem passasse a identificação do homem para que ele cometesse o crime.

"Nos autos consta que ele ofereceu dinheiro para quem informasse quem era o Cabeludo. Teriam sido R$ 400 depois aumentou para R$ 500 e, logo depois, ele voltou em direção ao Cabeludo. Era uma madrugada chuvosa, em Teresina, e eles [pessoas em situação de rua] estavam todos recolhidos em uma parada de ônibus ali na rua 07 de Setembro", disse.

A arma do crime não foi encontrada, mas segundo o delegado mais de dez pessoas foram ouvidas e há provas robustas contra o médico.

"Ele não relatou nada, mas os elementos colhido nos autos são fortes, coerentes, tanto que o magistrado decretou a prisão temporária, após a manifestação do Ministério Público. O delegado Jorge Terceiro não se baseou apenas em informação de indícios mas e um conjunto probatório. Portanto, é uma prisão por temporária de 30 dias, mas já temos elementos para conversão em preventiva", destacou.

O delegado Jorge Terceiro está presidindo o inquérito. O profissional de saúde foi preso em uma clínica onde ele trabalha na zona Norte da capital nesta manhã. Ele foi encaminhado para delegacia acompanhado de, pelo menos cinco advogados, e ficará à disposição da justiça.


FONTE: portala10+

0 comentário

Comments


bottom of page